• Diogo Seixas

O cérebro por trás das incertezas


Ah, as incertezas…

Mas e se? Será que eu devo? Ou será que é melhor fazer de outro jeito?

Vemos a incerteza sempre como algo muito frustrante, confuso e que é geralmente acompanhada de muita ansiedade. Isso acontece porque a incerteza consome muito de nossa atenção do dia a dia.


Entenda a atenção como um tanque de gasolina que é abastecido todo dia quando você acorda. Cada pequena decisão que você toma consome um pouco dessa atenção diária. Escolher entre vestir vermelho ou azul, tomar café da manhã em casa ou fora, pegar o caminho mais curto ou o mais rápido. Cada pequena decisão e escolha é feita a partir do momento que você direciona sua atenção para aquele assunto.


Essas decisões, porém, são fáceis de serem tomadas. Entretanto, quando temos que tomar uma grande decisão como mudar de país ou de emprego alocamos muito tempo da nossa atenção naquele assunto, gastando nosso tanque de atenção. Grandes decisões são acompanhadas de incertezas que consomem nossa atenção, e que quanto mais importância damos para aquela decisão, maior a quantidade de energia gasta sobre aquilo e mais cansado você fica ao pensar naquilo.


A incerteza também consome atenção durante um divórcio por exemplo ou quando você ainda não sabe o resultado sobre aquela dor no estômago que vem te incomodando há algum tempo. Um estudo chamado “The impact of cancer on the preferences and subjective well-being of patients and their carer” de 2013 revelou que pacientes com câncer relatam níveis de satisfação com a vida mais baixos quando ainda não sabem os resultados do exame. E a interpretação para isso é que a certeza da morte é mais reconfortante do que a incerteza de viver. Provavelmente porque o foco sobre essa incerteza consome muita atenção, muita ansiedade e consequentemente dor (emocional).


Uma explicação para isso vem no livro Felicidade Construída de Paul Dolan. Temos dentro de nós um sistema imunológico psicológico que é responsável pelas nossas adaptações de sentimentos. Um desses modelos de adaptação é chamado de AREA.

Atenção

Reação

Explicação

Adaptação


Grande parte das coisas que acontece na sua vida requerem sua atenção para que você possa reagir a eles, e se puder explicá-los, você deixará de prestar atenção e vai se adaptar. E o problema é que na maioria das vezes não conseguimos explicar as coisas e continuamos apenas reagindo, consumindo energia/atenção, ficando insatisfeitos ou frustrados. Um aumento de salário por exemplo é facilmente explicável (porque você é bom no que faz, correto?) e logo você se adapta. O mesmo acontece com as pessoas em casos terminais, em comparação às que ainda não sabem qual será seu destino. Ou aquelas que conseguem o divórcio em comparação com aquelas que estão no processo.


Como ainda não acabei o livro, não sei se o autor dará uma solução para isso, mas ao meu ver acredito que podemos resolver essas incertezas em cada um dos 4 pontos do AREA. E que essas explicações estão extremamente conectadas também.


Primeiro, você decide onde colocar sua atenção. Você escolher se quer ficar pensando e repetindo aquilo na sua cabeça ou se pode fazer alguma outra coisas para se distrair.

Segundo, você escolhe como reagir às situações ao seu redor, dependendo da explicação que você dá. Se você escolhe explicar que seu parceiro chegou em casa tarde porque estava te traindo, sua reação vai ser totalmente diferente de quando você escolhe explicar que seu parceiro chegou tarde em casa porque pode ter sofrido um acidente no trânsito.


Logo, você acaba se adaptando e se sentindo da maneira com que você escolhe lidar com essas incertezas. Não tem uma fórmula mágica e muito menos existe uma forma fácil de passar por isso, mas a palavrinha chave é ESCOLHA.


Acredito em analisar possibilidades. Pense em tudo que poderia acontecer, e preste atenção em como você se sente em cada uma das explicações. ESCOLHA a que te faz sentir melhor. Quando você passa por esse processo, fica mais fácil de alocar sua atenção em outras coisas.


Uma última dica para incertezas e frustrações é: sempre, sempre, sempre dê o melhor de si, porque se algo não der certo, você pode escolher dizer que você foi incrível e que não poderia ter feito nada melhor. Logo, sua reação a essa explicação vai ser melhor e sua adaptação mais suave.


Escolha ser incrível :)
41 visualizações

© 2018 by Journey Team

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now